sexta-feira, 30 de agosto de 2013








 PRESIDENTE DIZ QUE PREFEITO ARMOU UMA VEZ PARA NÃO MONTAR CPI.
CONTRATOS ASSINADO E RECONHECIDOS EM CARTÓRIO
PARTE DO DOCUMENTOS QUE PROVAM A PARTICIPAÇÃO DOS ACUSADOS.


O Presidente da Câmara Municipal de Aveiro Raimundo Ronilson, conhecido por; (Preto Satiro), falou a nossa reportagem, da sua insatisfação com a falta de vereadores que estão dando sustentação ao Prefeito Olinaldo Barbosa,por isso estão aramando para que não haja sessão .
Duas sessões em seguida que os vereadores Rubemir Pereira dos Santos, Francildo, Paulo Henrique, Irany e a vereadora Vânia Felix. Segundo o presidente será descontados os vencimentos, pois, na véspera da sessão todos viajaram para Santarém, somente para não dar quórum.
A revolta do presidente e que ele citou vir a  manobra do prefeito para que a sessão não dê quórum, e que a comissão dos quatros vereadores não possam formar a CPI e que eles sejam impedidos de explicar para a sociedade o resultado da ida do grupo de vereadores G4 a comunidade de Mojú.
 Perguntamos ao vereador e presidente da casa Raimundo Ronilson, por que G4 e não G5 como se havia anunciado que seriam os cincos vereadores investigando a venda da madeira.
O Presidente da casa respondeu que o vereador Cildo tinha dado a sua palavra que estariam juntos para que pudessem investigar a confissão do ex-secretário João Batista de Paiva, que diante dos vereadores, vice-prefeito, prefeito, chefe de Gabinete e o filho do vice-prefeito, que tinha vendido a madeira e que os valores de conhecimento público estariam depositados nas contas das pessoas que também é de conhecimento público.
E que para a sua surpresa o vereador Cildo estava juntos com os quatros vereadores para que não desse o numero suficiente de vereadores para que houvesse a sessão para atrapalhar o andamento das investigações e que os verdadeiros culpados fiquem na impunidade.
Em continuação, o presidente falou que está a procura dos envolvidos e não saber se é verdade, pois, quando esteve na madeireira do Moju, o proprietário confessou que foi negociada a madeira no valor de R$ 288.000,00 mil reais, conforme documentos de posse dos colegas edis.
Que ressaltou que os vereadores adentraram no Ministério Público a apresentando provas documentais.  Aonde constam assinaturas, de todos os envolvidos na transação da madeira e, que para surpresa dos vereadores foi descoberto que foram  vendidas no meio dessas madeiras mais 1.000 toras de MADEIRAS apreendidas na ida  das balsas para Moju, e que estão sendo apuradas.
Preto do Satiro, falou que muitas pessoas estão desacreditas dos políticos por que nunca viram vereadores realizando seu verdadeiro papel de parlamentar, e que agora estão espantados com os quatros vereadores que estão procurando moralizar a política aveirense, eles acham que o vereador não tem palavra e que todos são corruptos.  Estamos analisando a Licitação que foi realizado por que a Lei; O direcionamento de uma licitação deve ser apurado a começar pela regra do artigo 3º, parágrafo 1º, inciso I, da Lei 8.666/93, que veda as "preferências ou distinções em razão da naturalidade, da sede ou domicílio dos licitantes ou de qualquer outra circunstância impertinente ou irrelevante para o específico objeto do contrato".

 

quinta-feira, 22 de agosto de 2013







VEREADORES FALTOSOS IRÃO SOFRER DESCONTOS EM SEUS VENCIMENTOS.


VEREADORES NA RÁDIO TROPICAL-FM  87,9MHz

PRETO DO SATIRO  E O VEREADOR ANTONIO PAULO.
 Na última terça-feira 20, dos nove vereadores apenas 4 compareceram  na sessão ordinária da Câmara Municipal de Aveiro, por esse motivo não deu quórum à sessão.São eles: Ulisses Almeida(do Gigíco), Gilmar Lira, Antonio Paulo e  presidente da casa legislativa Raimundo Ronilson, mais conhecido por (Preto do Satiro) . Dado  inicio a sessão e em seguida foi encerrada pelo motivo já citado.

Segundo o presidente da câmara municipal Preto Satiro, a falta dos vereadores deu-se por conta que todos os vereadores faltosos que já sabiam o que seria realizado nesta sessão, por que seria aberta de uma CPI, para apurar a responsabilidade do atual prefeito Fuzica na venda da madeira que foi apreendida pelo IBAMA e doada ao município de Aveiro.
Em continuação o presidente da câmara disse que ele e o vereador Antonio Paulo pertencem ao mesmo partido PSC,  mais eles estão fechados para defender os direitos do povo e não defender o prefeito Olinaldo Brabosa. Fuzica não tem palavra, na reunião da Vila de Brasília Legal o gestor se comprometeu e recuperar as estradas e não cumpriu.
Pela documentação que foi mostrada á nossa reportagem, indicam assinatura do prefeito em todas as documentações, assim como a do funcionário Fredson Fernando  Mota Batista , do ex-secretário João Batista de Paiva, as assinaturas só complicam a situação dos acusados e envolvidos na venda das madeiras, segundo investigações dos vereadores.
Continuando, o presidente falou que esteve em município de Muju e falou com dono da Madeireira Padroeira do Norte, que confirmou a compra da madeira das mãos do ex-secretário João Batista de Paiva, juntamente com o funcionário Fernando.
O proprietário depositou direto em conta R$ 288, 000,00 (Duzentos e oitenta oito mil reais), sendo que avaliado a madeira em toras e beneficiadas que chega 1.442,699, 00 (Hum milhão e seiscentos e sessenta e nove mil reais). Para o presidente e os demais vereadores que estiveram investigando a venda dessa madeira, é uma quantia muito irrisória.
Já o vereador Antonio Paulo, falou que pertence ao mesmo partido PSC, que é do prefeito Olinaldo Barbosa, mais não vai compactuar com seu erro, que tudo indica que se caso venha comprovar a sua participação nesse escândalo da madeira ele será punido conforme manda a lei.
Antonio Paulo disse que vem sofrendo ameaças de ser expulso do partido,  e deixou bem claro:” Eu sou vereador eleito para um mandato de quatro anos, vereador para trabalhar para todos e corresponder os votos que obtive na última eleição,  então,  o interesse é o compromisso que tenho com o povo de Aveiro ,e não ser vereador de prefeito. Pois, iremos continuar com o grupo do G5 firme e forte .

Vereador Antonio Paulo, falou que será aberto a CPI, que serão apuradas as participações do prefeito, até por que então, os dois funcionários não tem como explicar a venda da madeira, já que o proprietário da madeira foi bem claro, ele entrega a madeira, se devolverem o dinheiro para sua conta, haja vista o cidadão não querer perder o que pagou.
Vereador Gilmar Lira, disse que o candidato a prefeito que ele                apoio  não foi esse que ai está,mais sim um ladrão como foi propagado em palanque  foi chamado, a onde tinha que existir duas balsas para levar os forasteiros , para que hoje, se fizer as comparações tem muito mais gente de fora que no tempo do ex-prefeito. Agora, tem muita mais gente de fora do que no tempo do ex-prefeito
Hoje nem a sua própria vila a onde mora os moradores estão realizando vaquinhas para manter a as ruas limpas, situações das pontes é uma vergonha, por que a população vão construir de madeira para poder o carro do prefeito passar  com a  Rilux .
Gilmar falou da falta dos colegas edis na sessão, dois se sabe que justificaram suas faltas, mais precisa justificar com atestado médico, já o vereador Rubemir Santos, ele já é conhecido pelas suas atitudes e que ninguém se espante ou que seja da falta de conhecimento do povo de Aveiro a sua atitude.
Vereador Gilmar Lira, disse que o assunto madeira é verdade, que será feito uma apuração do envolvimento do prefeito, caso ele esteja sofrerá a punição que a lei determina, pois, tudo indica que   se o gestor esteja envolvido  com certeza sofrerá as punições que a lei determina .
Para fechar a entrevista na rádio, o vereador Ulisses do Gigico, disse que tudo que o prefeito prometeu não cumpriu por que não tem palavras. Que esteve juntamente com os três vereadores nas comunidades a onde irão ser construídos ampliações dos postos de saúde e as reclamações são as mesmas, comunidades cheia de matos, descasos é grande com quem apostaram nas palavras do prefeito Fuzica.
Para o vereador Ulisses,  os colegas com quem vem trabalhando realizando o papel de legislador , procurando levar conhecimento público tudo aquilo que tiver de errado, para o bem estar da população. Disse que na próxima sessão vai ser aberto a CPI, para apurar as irregularidades da venda da madeira, que a população espere empenhos dos seus companheiros para apurar com responsabilidade a venda de madeiras.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

 
 
 
 
07/06/2013 as 17h20min       864 pessoas já leram essa noticia

matéria retirada reproduzida do site do notapajós dia 12 de agosto de 2013, dão conta desta noticia. Essa noticia vem demonstrar que o IBAMA dou a madeira e a Prefeitura de Aveiro Pará

Ibama doa madeira ilegal apreendida na região do Curuatinga

Doa foi de mais de 4 mil metros cúbicos de madeira.
Ibama doa madeira ilegal apreendida na região do Curuatinga

Balsas com madeira ilegal doada Pará - Quatro balsas com 3,6 mil m³ de madeira em tora doados pelo Ibama à prefeitura de Aveiro (cerca de 180 caminhões cheios) atracaram nesta quinta-feira (6) em um porto de Moju, a 130 km de Belém, no Pará. As árvores centenárias, de espécies de alto valor econômico como angelim e maçaranduba, foram derrubadas por madeireiros ilegais na região do Curuatinga, no oeste do estado, e apreendidas no início do ano pelo instituto durante a Operação Onda Verde.
Uma quinta balsa flagrada no trajeto levando 500 m³ de madeira ilegal serrada (20 caminhões cheios) também foi conduzida a Moju. Agentes do Ibama de helicóptero haviam avistado a embarcação suspeita em Santa Maria do Uruará, mas ela fugiu antes de ser apreendida, sendo interceptada no domingo (2) pelos agentes na frota de Aveiro, no Rio Amazonas, nas proximidades de Almeirim. O dono da balsa foi autuado em R$ 150 mil e a madeira está em fase final de doação a um órgão público de Belém.
O carregamento das balsas contratadas pela prefeitura de Aveiro durou 15 dias, até que se completasse o recolhimento das toras espalhadas em locais de difícil acesso nas matas do Curuatinga. Em seguida, escoltada pelo Ibama e por homens do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), a frota viajou uma semana até chegar ao nordeste paraense, onde a madeira será serrada antes de retornar ao oeste do estado e ser, finalmente, aplicada em obras sociais.
De acordo com o secretário de Meio Ambiente de Aveiro, João Paiva, a empresa em Moju que beneficiará a madeira ofereceu melhores preços e condições de transporte ao município. "Ficou mais barato serrar aqui que em Santarém, porque em Aveiro não existem madeireiras em atividade", explicou ele, que estima que em três meses a madeira já esteja na sua região.
Segundo o plano apresentado pela secretaria ao Ibama, a madeira será utilizada para reformar escolas na zona rural; recuperar os trapiches de Aveiro e dos distritos de Fordlândia e Brasil Novo; construir uma sede para a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, um clube de convivência para mães e um barracão comunitário.
A madeira doada a Aveiro é apenas parte dos 8 mil m³ de toras apreendidas pelo Ibama no Curuatinga. Cerca de 4 mil m³ ainda podem ser destinados a obras sociais em outras regiões. São habilitados a apresentar projetos para receber a madeira órgãos públicos e entidade sem fins lucrativos. O Ibama não oferece maquinário, mão de obra e transporte para a retirada de bens doados, cujos custos são de responsabilidade dos beneficiados.

Fonte: Ascom Ibama
 
Lendo está matéria observei que tudo que foi falado na tribuna da Câmara Municipal de Aveiro, realizado na terça-feira dia 06 de agosto quando vereadores afirmaram que ex-secretário João Paiva, é reu confesso pois, confessou a venda da madeira para uma madeireira no Muju.
Segundo assessoria do Ibama diz que foi apresentado um"Projeto", que seria para fazer o recuperar o trapiche de Aveiro, Fordlândia e Brasil Novo, veja bem, BRASIL NOVO! Aonde existe Brasil Novo no município de Aveiro ?.
 Amigos leitores reconheço meus erros gramaticais, mas, para aquelas pessoas que saibam interpretar vão entender que existem contradições das afirmações dos vereadores na tribunal do legislativo em Aveiro do dia 06 de agosto, quando existem pessoas que ouviram as confissões do ex-secretário João Paiva dos depósitos e valores em contas dele do funcionário e de um comerciante da cidade de Itaituba. 
Confissão feita a nossa reportagem por pessoas que ouvirão o relato do ex-secretário de Meio Ambiente João Paiva. Como explicar e desfazer a própria confissão perante prefeito,vice-prefeito, chefe de gabinete, e dois vereadores que fazem parte da comissão de investigação do caso da madeira o senhores Gilmar Lira e Antonio Paulo.
O que dizer a sociedade aveirense para tantos escândalos, por que escolhem Aveiro, para ser escape para desviar os benefícios que são de direitos a esse povo carente que sofre com pessoas desonestas. O que dizer ao um povo que mora em casebres de palhas, casas que deveriam ser dignas de famílias merecedoras de respeito por parte dos poderes públicos.   
 Pois, já existem investigações que já ouve outras doação do IBAMA, que nunca chegou no município de Aveiro, nunca ouve investigações para saber se essa ou aquela madeira doada chegou em Aveiro e serviu para beneficiar o povo aveiresnses. Que pena, que existam  pessoas égoistas usam o poder para massacrar o povo de Aveiro.
 

quarta-feira, 7 de agosto de 2013







EX-SECRETÁRIO ACUSADO DA VENDA DA MADEIRA DESMENTE ACUSAÇÕES DE VEREADORES.
EX-SECRETÁRIO JOÃO PAIVA ACUSADO DE VENDER MADEIRAS.

VEREADOR GILMAR LIRA VERIFICA DOCUMENTOS QUE COMPRAVAM DENUNCIAS.

VEREADOR ANTONIO PAULO EXIBE DOCUMENTOS DE DOAÇÃO DA MADEIRA.

Ex-vereador e ex-secretário da secretaria de Meio Ambiente João Batista de Paiva, que foi acusado de vender madeiras doadas pelo IBAMA, para o município de Aveiro, e que foi assunto principal da primeira sessão da última terça-feira, pelos vereadores: Antonio Paulo Dantas Xavier, Ulisses Almeida, e Gilmar Lira. Em seus discursos, os vereadores afirmaram que o ex-secretário João Batista de Paiva e o funcionário SEMA Fernando Mota estariam envolvidos na venda das madeiras.
João Batista de Paiva, acusado na última sessão pelos vereadores citados, aonde na foto ,mostram os documentos que estão de posse e  afirmam envolvimento do ex-secretário e segundo palavras o vereador Preto do Satiro como é conhecido,disse: “Tomara que o funcionário da Secretária de Meio Ambiente Fernando Mota, esteja ouvindo, por  que ele prove sua inocência”
Secretário Respondeu o seguinte com as suas palavras: “Eu Lúcio! não fiz isso, não vendi as madeiras como estão me acusando e que irei ir em Aveiro, porque estão dizendo que eu fugir e que tudo isso é mentira, e como o IBAMA nos deu um prazo a madeira vai vir para Aveiro, todos irão vir essa madeira para fazer o trapiche e outros benefícios”.
Por telefone, ao ser perguntado se ele havia confessado que havia vendido a madeira, que tinha depositado valores na conta de João R$ 55.000,00; na conta do funcionário R$ 35.000,00; e R$ 200.000,00 na conta do senhor Hiraldo dono de um armazém na cidade de Itaituba. Segundo confissões as cinco pessoas, prefeito Olinaldo, vice-prefeito Luciano Nascimento, e funcionário Arildo Mota, e mais os vereadores Gilmar Lira, Antonio Paulo e mais um dos filhos do vice-prefeito que não foi me repassado o nome.
   João Paiva, disse o seguinte: “Lúcio isso não existe, são mentirosos, eu vou aí, vou provar a minha inocência! e como lhe falei não ouve essa confissão, portanto eu não fugi, eu não vendi madeiras e digo mais, temos um prazo para entregar essa madeira aí no porto de Aveiro e ela vai chegar aí no porto. Portanto, isso tudo aí são boatos e que vou dizer nem eu e muito menos o Fernando Mota não vendemos madeira, tudo mentira!
Agora, a madeira que foi vendida foi a da terceira vicinal da administração do Ranilson, essa da madeira eu sei que foi vendida e uma outra eu não sabia e que repassado a pergunta por você, que uma madeira apreendida em Santa-Cruz eu vou procurar saber  onde essa madeira foi parar”. Paiva encerrou dizendo que vai está na segunda-feira na Rádio Tropical-fm para explicar para o povo que ele não é esse bandido que estão atribuindo.
João Batista de Paiva, também vai explicar como foi feito para quebrar sigilio bancário dos acusados...Aguardem!...VENTILADOR FOI ACIONANDO NA FORÇA. 
O redator: Gente! O Ministério Público tem que investigar o processo que é feito para que seja doada essa madeira até o processo de beneficiamento e também, deve ser investigada pelo Dr. Alam Mansur o possível envolvimento de pessoas influentes nesses processos. Porque não é a primeira vez que o órgão do IBAMA, doa toras de madeiras para ser beneficiadas para servir a população aveirense, pois, nunca foi construído nada em Aveiro das madeiras doadas pelo IBAMA. Assim, como vendas de terras do sem licitação, e terras ao comando do INCRA..Vejam bem! São suposições..que não devem ser descartadas.
Segundo informações dos vereadores que logo apos a sessão de abertura já estariam viajando para Mujur, pois, todos ainda se encontram na cidade e que noticias não oficiais só irão viajar na aproxima segunda feira. Como os comentários já existem " Tudo vai dá Pizza" .