quarta-feira, 5 de setembro de 2012

A CASA LEGISLATIVA PEDE CASSAÇÃO DO VEREADOR RAIMUNDO CARDOSO DO PPS.


                                             QUANDO SERÁ O PRÓXIMO COMBATE

Ontem na sessão realizada o presidente da Câmara Municipal de Aveiro, acusou Raimundo Cardoso de rasgar o documento que pede a cassação do atual prefeito e por atos impensados agrediu fisicamente o presidente Rubemir Pereira dos Santos, que ficou com seu paletó todo rasgado.
Após sofrer agressão o Presidente determinou o Tático de Itaituba 15º BPM, para prender, com a intervenção do prefeito Ranilson e advogado da prefeitura, Raimundo Cardoso ficou no gabinete do gestor, sobre custódia.
Retomada a sessão foi criado a CPI para analisar a documentação e as provas para daí a CPI pedir a cassação ou arquivo do processo de Ranilson do Prado, se cassado caberá a ele recorrer da decisão a segunda instância.  
A casa analisou o Regimento da Casa e observou que o vereador Raimundo da Silva Cardoso, faltou com decoro parlamentar e o presidente pediu a cassação do edil, que poderá acontecer na próxima sessão. Rubemir foi até Itaituba para registrar ocorrência policial contra o vereador Raimundo Cardoso. Atitude do vereador só a justiça julgará o seu comportamento.

QUE VERGONHA PASSA O MUNICÍPIO DE AVEIRO



Quadro político de Aveiro nos últimos vinte anos (20) vem causando grandes prejuízos a sociedade aveirense, troca-se prefeito, mais os vereadores contaminados pelas  injustiças sociais continuam os mesmos.
As brigas pelo poder iniciaram-se quando Milanez e Reginaldo vieram ser candidatos a prefeito e vice-prefeito em Aveiro. A partir do momento que não houve a divisão do pão, as brigas começaram até iniciar a novela “Agora é a Minha vez” saia Milanez e entrava Reginaldo era a brincadeira do gato com o rato.
Quem se beneficia com tudo que vem acontecendo é Advogados e Justiça e politiqueiros que só pensam em se dar bem,imaginando que em tudo irão se dar bem,enquanto na verdade a desilusão de quem apóia de quem briga para defender certos prefeitos que depois de analisarem serão abandonados na sarjeta.
Hoje, o quadro político vem se tornando decepção para as pessoas informadas e cientes em saber os motivos de tantas brigas,alguns se passando por inocentes e até mesmo sendo culpadas pelo erro e desespero de perder a mamada se tornam vítimas a pulso.
Se o atual prefeito Ranilson vem cometendo erros administrativos não se devem culpar somente o prefeito e sim aos dois poderes que permitiu que as mazelas acontecessem sem que tomassem uma providencia mais séria, abrindo sindicância para apurar as irregularidades administrativas e dentro da lei pudesse pedir afastamento e até cassação se o caso viesse ser comprovado.
Quem acompanha o prefeito e ele mesmo sabe que cometeu erros administrativos e as conseqüências estão vindo para a sua cabeça como uma avalanche, agora, se pergunta pra que existem assessores não para tentar causar pânico nas pessoas, assessores é para ajudar administrar um poder e não levar fofocas aos ouvidos do  gestor.
É do conhecimento de todos que a falta de pagamento aos funcionários elas existem e que causa grandes prejuízos aos pais de família e isso nunca deixa ninguém contente. E as dívidas crescem assim como os comerciantes deixam sem crédito os funcionários, que hoje estão passando por grandes necessidades e dificuldades sem que ajuda venha cair do céu. Mas Deus é justo com aquelas pessoas que não blasfemam seu nome.
Duas sessões já foram marcadas para aceitar o pedido de cassação de Ranilson por várias alegações, a primeira iniciou-se um incêndio na cozinha da câmara e o roubo dos documentos e a sessão foi suspensa na última terça-feira com a presença do tático da Policia Militar do 15 ºBPM Itaituba vieram dar apoio a  mesa diretora da câmara.
Depois de lido o documento mais uma vez a sessão é interrompida pelo vereador Raimundo Cardoso, que se dirigiu a mesa do Presidente Rubemir Pereira, e tomou a cópia dos documentos e em luta corporal rasgou o paletó do presidente e a polícia fez a sua prisão em flagrante e o advogado e o gestor municipal entreviu não deixando levar para cadeia.
 Após o tumulto e prisão do vereador e de um dos seus assessores Clemison por desrespeitar o presidente da câmara, e assistido por mais de 300 pessoas oriundas de algumas comunidades e também da cidade, assistiram a realidade dos fatos. Em seguida foi retomada a sessão e depois escolhidos a comissão da CPI para apurar as irregularidades e com isso poder inocentar ou cassar o prefeito Ranilson Araújo do Prado.
Mas tudo isso vem acontecendo porque os atuais políticos não lutam para a implantação de uma Comarca em Aveiro. Lugar que não tem juiz ou juíza, promotor e delegado dá sempre no que está dando as injustiças são cometidas sem que haja punições dentro da lei. Eu não quero dizer que estejamos sem esses magistrados e bacharel que responda por Aveiro, e sim a falta que faz a população sem as presenças dessas autoridades.
Eu não posso me omitir a verdade não pode esconder a verdade diante dos fatos, dizer que querem tirar o gestor na marra, porque quem cassa é a câmara e quem aceita ou não a validade dos fatos é o juiz e desembargador, por isso se recorre a qualquer decisão. Na marra na existe, existe uma denúncia e que deve ser apurada para inocentar ou para se aplicar a lei conforme ela determina e lei não para se discutir e sim para ser cumprida.
Gostariam que as pessoas que irão votar analisem seus candidatos, cobras e ratos não devem mais voltar ao poder e sim fazer uma renovação total nos dois poderes, para que se faça mudanças em todos os setores, para que se veja que o dinheiro do povo não é para se comprar fazendas,carros do anos ou favorecer familiares. Igualdade social o povo de Aveiro precisa de paz. Os atuais que me perdoem, mais o castigo do dinheiro público ele tem as suas conseqüências assim como chega fácil em suas mãos ele as acaba que nem fogo.
O que se comenta na cidade seria o gestor renunciar para não perder seus direitos políticos e concorrer a reeleição e se for a vontade do povo ele continua se não só daqui a 8 anos após cumprir a lei eleitoral.