sexta-feira, 18 de outubro de 2013








CIDADE SEM LEI


232 ANOS DE CIDADE E AINDA NÃO TEM ÁGUA POTÁVEL.
MUITA GRANA ENTRA NOS COFRES PÚBLICOS E QUE NÃO SABE ADMINISTRAR.

As notícias que vimos e ouvimos  através dos jornais sérios, em rede nacionais, deparamos com cidades pequenas que tem de tudo que uma cidade pode  possuir, aonde possuem fórum, cartório eleitoral, juízes, promotores, delegados, delegacias, policiais militares para prestar segurança. As mentiras de campanhas continuam dizendo que muitas coisas serão resolvidas e uma das promessas é a água potável,pois, muitos valores adentram nessa prefeitura e a falta de respeito com povo aveirense é notório.
Aqui(Aveiro) tudo é ao contrário, pois, nada tem, porque a população depende de tudo de outras cidades próximas, na cidade de Itaituba ficam os bancos, para aonde vai todos os recursos estaduais e federais e mais, lá funciona o fórum e o cartório eleitoral, como lá também fica o delegado que responde pela Depol de Aveiro.
Muitas coisas acontecem no município de Aveiro e ninguém toma nenhuma providência, crimes são cometidos e a maioria dos crimes fica impunes por falta de um delegado que possa fazer ou realizar os procedimentos legais.
Prefeitos são cassados por várias acusações, alguns sofrem a perseguição das ações impetradas contra seus crimes cometidos contra o povo aveirense, alguns enriquecem sem que sejam incomodados pela Receita Federal que não busca verificar nas contas bancárias a procedências dos valores realizadas com casas, terrenos, gados, campos, bois, barcos e lanchas. É uma justiça falha contra pessoas que se apoderam de valores do povo através de várias maneiras .
O Município de Aveiro está nas manchetes de jornais, quando o gestor paga a imprensa marrom para mentir e mostrar a uma outra realidade diferente daquelas que o povo convive todos os dias.
Falta de prédios próprios para servir de  secretarias e,  da mesma forma usadas por ex-prefeitos, são usadas por governos que entram, se espelhando num espelho que serve para os interesses próprios de famílias e interesses de politiqueiros. 
A falta da presença do Ministério Público no município de Aveiro poderia coibir certos abusos de poder econômicos, descaso do poder público na área da educação, saúde, a falta de merenda escolar, falta de medicamentos para os hipertensos,  cadernal para epilepsia e outros   que nunca  estão a disposição das pessoas que precisam.
São muitas as  mazelas cometidas contra o povo de Aveiro, que se for enumerá-las não haverá espaços para outras matérias, porque os descasos continuam cometidos contra a população de Aveiro.
VEREADORES AVEIRENSES QUE JUNTOS LUTAM PARA QUE HAJA JUSTIÇA NA VENDA DA MADEIRA

 
128 CAMINHÕES DE MADEIRA SE REDUZIU A RIPAS, PERNAMANCAS E TÁBUAS CHEIA  DE BROCAS
MADEIRA NA RESPONSABILIDADE DA PREFEITURA  PEÇA DE PROCESSO DO IBAMA
                            MADEIREIRA RECEBE MULTA NO VALOR DE R$ 370.000,00 MIL REAIS.
Informações do  vereador Antônio Paulo, que a madeira que veio para Aveiro, ela veio sem  a documentação de transporte da madeira, vindo apenas com documento chamado romaneio e que passou por todas as fiscalizações até a cidade.
Ao chegar a Aveiro foi descarregado rapidamente pela parte da noite e deixada na praia em frente a cidade. Questionadas pelos vereadores Antônio Paulo e Raimundo Ronilson e Ulisses Franco, sobre as procedências e a legalidade da madeira, foi solicitado pelos vereadores uma fiscalização do IBAMA, que verificou toda madeira, mediu, colheu amostras para exames e também lavrou o alto de multa que segundo vereador Antônio Paulo chega a um montante de R$ 370.000,00 mil reais e ainda fechou a madeireira.
Matérias  veiculadas em um determinado meio de comunicação que recebe matérias pagas, disse que o problema da madeira estava resolvido. Muito pelo contrário   agora que os problemas aumentaram, e a madeira que veio a prefeitura não podem usar e apenas ficou na custódia da prefeitura para colocar vigias.
Com a vinda dessa madeira que não foram planejadas para ser usadas pela prefeitura  municipal , porque a maioria servem para realizar algum tipo de trabalho.  O lote de empilhadas de madeiras estão aos cuidados da prefeitura, que caso mãos seja resolvido a sua situação tudo se perderá com a enchente.
Agora os responsáveis pela venda da madeira segundo vereadores, eles sofreram sansões cabíveis da justiça federal e serão responsabilizados todos os envolvidos. Por tanto, nada foi resolvido  e sim veio confirmar a ilegalidade dos fatos citados pelos vereadores.
A comissão de moradores do Município de Aveiro, criada para lutar pelos interesse coletivo da sociedade, vai aguardar soluções e a presentação de documentos protocolado pelo Ministério Público Federal do recebimento da denuncia formulada contra os responsáveis pela venda da madeira que foi doadas em toras para o município de Aveiro. 
Caso não apareça essa comissão irá para frente do Ministério Público Federal, até que o delegado possa receber a comissão que irá solicitar medidas cabíveis para as pessoas que foram responsável pela venda dessa madeira.