terça-feira, 9 de agosto de 2011

“DIGNIDADE”, UMA PALAVRA QUE NÃO É PARA TODOS.










Recebi na redação do escritório da Folha Aveirence, um dos coordenadores do Sintepp, senhor e professor Adson Corrêa, que aqui vem demonstrar a sua indignação, a qual nos pede que coloque no blog para que todos tenham conhecimento da realidade do município de Aveiro. Conteúdo da matéria abaixo.


O Senhor Adson Corrêa Santiago, professor, Coordenador Geral do Sintepp – Subsede - Aveiro e Representando os Professores no Conselho do Fundeb, eleito neste ano de 2011. Nos procurou para desabafar e esclarecer situações complexas com relação ao Administração Municipal, na pessoa do Exmo. Prefeito Ranilson do Prado e Conselho do Fundeb.     
Segundo, relata que na reunião do dia 26 de julho de 2011, às 19h00 no Auditório da Secretaria Municipal de Saúde, que a pauta da reunião foi a Solicitação da Prestação de Contas do 1º Quadrimestre do ano de 2011 e o espaço próprio juntamente com os materiais para o funcionamento do conselho. Aproveitando o ensejo, professor perguntou ao prefeito porque não deixa a prestação de contas a disposição do conselho mensalmente como manda lei, já que é um governo transparente, da paz e do bem? O mesmo não deixou claro a razão de não entregar, mas garantiu pela segunda vez que com uma semana depois da reunião colocaria a disposição do conselho. Portanto, já se passaram os 15 dias, e até o momento não chegou nada em nossas mãos.
Quero ressaltar que a palavra dignidade não se encaixa na administração. Pelas palavras de garantias podemos indiciar que a administração não tem dignidade, responsabilidade e competência para administrar este município.
O exemplo disso está nos pontos negativos que desespera a administração alicerçada na expressão Não sei o que fazer” Esta expressão ultimamente resultou: Demissões excessivas de contratados que causou um impacto irregular na folha de pagamento; Os contratados estão substituindo os que estão na lista da ordem de chamadas do último concurso público; redução no salário dos funcionários e dos professores tirando um direito garantido no PCCR sem consonância com Sintepp, funcionários, Câmara Municipal e o Sindicato dos trabalhadores públicos municipais; Substituição de professores na área do Magistério, que esta cursando licenciatura, por funcionários que tem ensino médio e o pior, demissões irregulares desses professores contratados; hora-atividade que não esta sendo cumprida nas unidades de ensino que é um direito constitucional; e outros.  Um fator que volta a se sobrepor é o mal atendimento nos setores públicos, principalmente na prefeitura. Muitos funcionários estão carentes e necessitando de aperfeiçoamento para dar um atendimento de qualidade, como também uma assessoria competente para administrar.
Informamos que não há mais o que conversar com a administração, todos os meios cabíveis  já foram  e por continuidade estão sendo providenciados e por meios de registros de atas, ofícios, relatórios e o tempo de resolver todos esses problemas estão se esgotando, porque o prefeito só fala, mas não cumpre com que fala. A partir de todas  as medidas legais e constitucionais tomadas pelo conselho, não obtivemos decisões e resposta por parte da administração.  Logo, as entidades sindicais e conselhos é imediatamente acionar de forma hierárquica  a justiça e os órgãos poderosos e competentes para apurar irregularidades em todos os aspectos.           
Desde de janeiro a julho de 2011, o Prefeito recebeu do Fundeb R$ 6.260.973,38 (seis milhões duzentos e sessenta mil, novecentos e setenta reais e trinta e oito centavos. Sendo deste 60% para os professores R$ 3.376.584,18 ( três milhões trezentos setenta e seis mil, quinhentos oitenta e quatro reais e dezoito centavos), e para construções, reformas, ampliações, até para funcionários de apoio, compras de materiais etc. R$  2. 504.389,30 (dois milhões quinhentos e quatro mil, trezentos oitenta e nove e trinta centavos.   Como direito, é só para informar a voe o que está entrando porque é um direito que tens como cidadão que seus impostos. Agora resta sabermos como está sendo aplicado.
O Conselho está visitando as escolas, o que vemos são aberrações, não existe nada de reformas, ampliações, com o dinheiro dos 40% não está sendo comprado nada de materiais para escolas se manterem. Dos 60% em vez de melhorar estão tirando o direito do professor. Banheiros estão funcionando como bibliotecas, e outros materiais. Cozinha funcionando como lugar de computadores, materiais permanentes, materiais de expediente, didáticos e outras e outras irregularidades. Isto relatamos e tiramos fotos na Escola Corina Ferreira Palmeira, em Aveiro-Pá.   
Espero que o povo se conscientize, focando de maneira consciente o seu papel como um cidadão crítico, inteligente e participativo na sociedade, reivindicando os nossos direitos, porque os recursos  que entram nos cofres públicos é nosso, e todos devem por direito saber Como? Onde? Esta sendo aplicado este patrimônio público.

Meus sinceros votos de respeito e carinho a você.  
Adson Corrêa Santiago.